Skip to content

Porque decidi abraçar a #REDE

28/03/2013

Eu_No_Lancamento_Rede_Brasilia

Olha eu aí, debaixo da bola, no laçamento da REDE, em Brasília

Os que me conhecem sabem o quanto optei por ficar de fora dessa coisa chamada política – sempre fui apartidário. Lembro-me de há tempos ter sido convidado para participar de um pleito, saindo como vereador pelo PV. Mas recusei.

Mas desde 2010, quando integrei a equipe de Mídias Sociais da Marina Silva (permanecendo nela até julho de 2012), fui contagiado pela boa esperança e o “lado bom” da política, portanto, participar do lançamento da REDE, em Brasília, foi um marco para mim.

A REDE é um movimento social/político, mas que por decisão de muitos está tentando se tornar um partido – para tal são necessárias 500 mil – porque pela legislação política do nosso país não é possível que haja candidaturas independentes.

A REDE surge por aqui assim como diversos outros movimentos que estão explodindo pelo mundo afora: Partido de Internet, Lista Partecipata, WikiPartido, Demoex, Equo, Partido Pirata, entre outros.

Movimentos que bramam por uma reforma política, que almejam a horizontalidade das decisões e do exercício de poder – que não desejam o poder pelo poder -, tendo como fundamentos, como bem disse o Marcelo Fradim: autonomia, vontade, conectividade, participação, compartilhamento de valores e objetivos, multi-liderança, informação, descentralização, múltiplos níveis de operacionalização e dinamismo.

Em suma: é o conceito de Democracia participativa é o que tem trazido os movimentos sociais para perto deste processo da REDE e desses outros partidos acima citados.

O que é a REDE, partido de Marina, para mim?

Não creio que a REDE é (ou será) o melhor partido, que é (ou será) a solução do país, que é (ou será) a reforma política em si, que todos que nela está são perfeitos, lindos e maravilhosos, mas são pessoas que estão nesse caminho para contribuir para as mudanças necessárias.

Não estou de “bobo alegre” nessa. Sei que há pessoas que vão chegar (alguns já estão aí) de maneira oportunista e fazer coisas que não condizem com as ideias do movimento – como disse o Fradim, “são caciques, chefes, dinossauros que, habituados pelo “poder pelo poder” podem nunca entender nossa intenção”. Mas quero dar a minha contribuição de maneira justa e ética, como sempre.

A REDE está incomodando o sistema. Muitos políticos da #VelhaPolítica estão se sentido acuados, ameaçados. Por isso, alguns chegam a usar a imprensa (e seus articulistas) – para fazer críticas a um processo nascido genuinamente dos núcleos vivos da sociedade. Parte desta imprensa atende aos interesses dos caciques da política. E uma outra parte ainda não entendeu (ou não quer) o que está ocorrendo no mundo.

Fica o convite para os bons que estão na velha política e para a sociedade civil que queiram conhecer melhor o movimento e ajudar a formatar os projetos para um Brasil mais justo e sustentável da REDE.

Anúncios
No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: