Skip to content

Pecados no trabalho: sentimentos negativos que atrapalham a carreira

13/11/2012


Vamos a mais um post sobre carreira, pessoas, recursos humanos e empresas. O mundo corporativo me fascina, como já escrevi em outras oportunidades, apesar de ter encontrado prazer também no Home Office.

A revista Você S/A do mês de novembro retoma um tema que há tempos assola o ambiente das empresas. O assunto “Os pecados do trabalho” ganhou nova roupagem, mas nada mais é do que os riscos e problemas que o poder – e seus “acessórios” – traz aos que não resistem, conscientemente ou não, a essas tentações.

O certo é que ganância, inveja, soberba, ira, intolerância, calúnias e até o ato de puxar o tapete para subir e mostrar serviço estão presentes na vida profissional e corroem o ambiente corporativo, trazendo prejuízos à própria carreira dos que usam de forma inapropriada desses “recursos” que ferem a ética e desestabilizam pessoas e equipes, trazendo danos aos resultados da empresa.

A melhor maneira de diminuir e driblar quem usa desses sentimentos e tenta “sabotar” seu trabalho é mostrando o seu valor. Se a direção da empresa não estiver alerta, você pode ter sim alguns prejuízos com esses “ataques pecaminosos” , mas mantenha a postura e FAÇA O SEU TRABALHO.

Abaixo uma resenha de alguns dos Pecados do Trabalho da edição da revista Você S/A.

Ganância
Ele ou a empresa quer aquilo que o faça “mais” – mais rico, mais poderoso. É alguém angustiado que acha que deixou passar alguma oportunidade para aparecer mais, ganhar mais, conquistar mais espaço dentro da empresa e entre os demais colegas de trabalho.

Soberba
Menosprezar o outro com arrogância e presunção. Pessoas assim tendem a achar que o que ela faz é melhor do que o que os outros fazem. Ele sabe de tudo, é bom em tudo, conhece o cliente e o mercado mais do que ninguém e, pior, não consegue entender que há algo de errado consigo – percepção, aliás, que falta em todos os pecados aqui relacionados. Quando você tem sucesso precisa educá-lo para controlar essa emoção.

Ira
Discussões em voz alta, gritos, socos na mesa… alguns minutos de descontrole pode necessitar de uma grande esforço posterior para contornar as consequências para os projetos, os resultados, as equipes. Se você depende de outros para conseguir seus resultados, não será no grito.

Preguiça
Sem motivação ninguém avança. Entre os funcionários das companhias vencedoras do Guia Você S/A – As melhores empresas para você trabalhar de 2012, só 7% apontam a remuneração como a principal fonte de satisfação profissional. Motivação 34%, aprendizado 25% e identificação 14%. O ócio criativo até é bom. Além de o profissional saber lidar com os efeitos da preguiça, cabe às empresas inteligentes criar situações para aumentar a motivação e não deixar as coisas caírem no marasmo.

Inveja
A inveja não soma. Ela sempre subtrai. Quando por inveja impede-se (com várias técnicas antiéticas) o crescimento profissional do outro se coloca a empresa em risco. Esse sentimento é fácil de instalar. Cuide, portanto, da sua conduta.

Intolerância
Em uma empresa ou equipe em que o nível de cooperação é de excelência, a aproximação de um ser intolerante é prejudicial, pois este não consegue compreender o outro em suas intenções e interpreta tudo segundo seu próprio código e padrões de conduta, rotulando e estereotipando pessoas para a liderança.

Anúncios
No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: