Skip to content

Desfiliação do PV: decisão coerente de Marina Silva

09/07/2011

A maioria já está ciente da saída de Marina Silva do Partido Verde (PV), mesmo os que, sem esperanças, passam de largo quando o assunto é política. Eu fazia parte deste grupo, diga-se de passagem. Algo que foi mudado desde o dia que aceitei o desafio profissional de integrar a equipe de Mídias Sociais da ex-presidenciável Marina*.

Justo eu que relutei tanto em trabalhar com política. Rendi-me ao discurso de Marina, sempre baseado na coerência e pensando (mesmo) nas causas de um Brasil Justo e Sustentável. Não, não me tornei “ecocapitalista” termo comumente usado por extremistas e alimentadores da #VelhaPolitica. A palavra sustentabilidade é muito maior e não deve ser reduzida, apenas, a ecologia ou a cuidar da natureza.

O PV prometeu mundos e fundos ao convidar Marina a se candidatar ao cargo de presidente nas eleições de 2010. Pós eleição, os meses foram passando e nada do partido cumprir o que prometeu, entre eles o de se renovar e torná-lo realmente importante. O PV não conseguiu se desvencilhar da cultura política brasileira.

“O PV não foi capaz de dar perspectiva aos 20 milhões de votos de Marina. É necessário outro instrumento, um movimento que possa de fato incorporar esses eleitores. Estamos pensando em um movimento em rede, com elaboração de teses, propostas, e eleições de pessoas para cargos de coordenação que sejam de fato democráticas” [Sirkis]

Muitos discordam de suas idéias (isso é natural), mas acho difícil duvidar, pelo menos até hoje, de sua integridade ética. Marina tem feito política para além do fisiologismo, do troca-troca, da barganha e do imediatismo, portanto, ela não foi ou é oportunista como alguns querem rotulá-la. Sim, ela saiu do PT e, agora, do PV, mas isso também nada tem a ver com falta de punho ou falta de poder político, como querem fazer colar os que corroboram com o jeitão da #VelhaPolitica , inclusive alguns articulistas da mídia clássica, que tentam minimizar o ícone internacional que Marina é. Mesmo com a pressão contra da #VelhaPolitica , Marina tem conclamado mais e mais pessoas para um grande debate nacional sobre o nosso futuro e para uma #NovaPolitica.

“Marina Silva mantém sua coerência e inteireza ética. Saiu do PT porque este não assumia a sustentabilidade e do PV por não querer se reformar” [Leonardo Boff]

Não voto em partidos. Nunca votei. (Re)conheço a importância (infelizmente) que legendas possuem dentro do cenário político. Mas prefiro escolher a pessoa. Portanto, compartilho com a opinião (abaixo) do cineasta Fernando Meirelles dada ao Estadão.

“Votei na Marina (Silva) e no Guilherme (Guilherme Leal, vice), mas, principalmente, nas ideias que defendem, não no PV. Não tenho muitas dúvidas de que o que ela representa hoje é maior do que o que sobrará para o partido. O Penna (José Luiz Penna, presidente nacional da sigla) e sua turma podem ter perdido a oportunidade de renovar o partido e torná-lo realmente importante. Desculpe o trocadilho, mas o Partido Verde não quis amadurecer. A Marina é uma das raras figuras públicas 100% fiel às ideias que defende, e não a grupos ou partidos. Politicamente, ela pode até sair enfraquecida, uma vez que perde uma base, mas não é isso o que parece guiá-la. Se não for para por em prática o que acredita, não vale a pena”. [Fernando Meirelles]

* Iniciei o trabalho nas Mídias Sociais da campanha presidencial da Marina Silva em junho de 2010, em São Paulo, no comitê do PV na Vila Madalena, em São Paulo. A integração entre assessoria de imprensa e equipe de mídias sociais foi fundamental para o sucesso do trabalho. De lá pra cá, continuo o trabalho nas redes sociais da Marina e também da Copersucar (Via MVL Comunicação – ), mas em home office, de Franca-SP. 

Anúncios
2 Comentários leave one →
  1. Gusmão permalink
    12/07/2011 20:14

    O que não faz sentido é uma pessoa tida como ética ter ficado tantos anos em um partido onde é notória a corrupção. Quando os VALORES colossais dos esquemas daquele partido se tornaram notórios, ou a política de carreira em questão quis preservar seu nome e se desfiliou, ou encontrou uma possibilidade de instituir uma nova oposição – oposição da muito dinheiro, MUITO – ou se revoltou em constatar que enquanto o PLCCI tinha esquema de 1 Bilhão de dolares ela estava mordendo pouco (se mordia, sabe-se lá quanto). Agora falar que depois de decadas no PT ela se desencontrou ideológicamente é papo pra brasileiro burro.

    • 14/07/2011 10:55

      Gusmão…

      Infelizmente não há partidos sem corrupção.

      De um homem tudo se pode esperar, amor, compreenção e corrupção. Mas é possível você se manter integro. É o caso de Marina.

      Tem uma passagem na bíblia que diz que “maldito o homem que confia no homem”, mas confesso a você que a ficha limpíssima da Marina me fez/faz colocar a mão no fogo por ela.

      No mais, não se pode dar crédito em opiniões embasadas em “achometros” . Na tem valor comprovado, ou seja, fica baseado no discurso da #VelhaPolítica que tanto criticamos, mas que, às vezes, inconsciente, a alimentamos.

      [ ]’s

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: