Skip to content

Internet amendontra empresas

09/03/2010

Ilustração do ótimo Ivo Fávero

Empresas sentem medo. Mas estas são alicerçadas em concreto e aço. Não é a empresa jurídica que está exposta a este sentimento. É a física. As pessoas que estão por detrás das corporações sentem receio diante do novo e das mudanças (quem não sente?), não permitindo abrir as portas da Instituição por medo de expor fragilidades.

No sentido empresarial, fragilidade está ligada a produtos, a gestão de pessoas, a atendimento, a serviços. Por isso há tanto temor por parte das diretorias em incorporar as exigências do mundo Web 2.0. Passar a encarar uma via que até então era de mão única é mexer numa estrutura de concreto, de aço… e agora não me refiro a estrutura do prédio, mas a de gestão.

Esta nova (não tão nova assim) cultura de interatividade exige mudanças. E elas vão acontecer. Pelo menos para quem quiser sobreviver. Para estes as mudanças sempre ocorrem. Antes, as poucas transformações eram mais voltadas ao produto e as diretrizes impostas pelas próprias empresas, agora, essas mudanças passam pela voz e pelo caminho do consumidor, este ser que ganhou identidade e voz, ampliados pelos canais sociais da Internet. É uma revolução sem volta. Por isso, algumas empresas, não nativas deste período Web 2.0, estão dando meia volta e se reestruturando.  Bebe água limpa quem chegar primeiro.

A “novidade” – que ainda carece de estudo e dados concretos -, é uma realidade e, como sempre digo, revolução tecnológica é algo que não tem volta. Quebrar as barreiras é necessário. “O segredo da web 2.0 é tornar natural e intimista o relacionamento entre marcas (empresas) e pessoas. As relações podem — e devem — ser mais reais e mundanas para que os consumidores não se sintam diminuídos”, declarou Hugh MacLeod, o guru da Web 2.0, em entrevista à revista Meio e Mensagem.

Martha Gabriel, professora de MBA e autora de dois livros sobre SEO e SEM, em recente palestra sobre Twitter para Empresas, disse que a Internet muda tudo e que esta torna o marketing em conversas novamente, já que os mercados começaram como conversas. Segundo a consultora, o medo mantém as empresas distantes de seus consumidores. “A Internet subverte hierarquias e força as empresas a adquirir intimidade com seus consumidores”. As empresas precisam adquirir senso de humor. E senso de humor envolve humildade, honestidade, valores e um ponto de vista”, explica.

Anúncios
No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: